O Presidente da República marcou as eleições europeias para o dia 25 de maio e aconselhou os partidos a centrarem-se no «debate de ideias» e não na «crispação partidária». O anúncio foi feito por Cavaco Silva, esta quarta-feira, numa declaração ao país a partir de Belém.

Eleições Europeias: oposição reage ao discurso de Cavaco Silva>

«A campanha deve decorrer de forma esclarecedora, serena e elevada. Em vez de enveredarem pela crispação e conflitualidade, os partidos devem apresentar soluções e discutir propostas», aconselhou.

Apelando ao «sentido de responsabilidade» dos partidos, o chefe de Estado disse esperar um «debate de ideias em vez de uma troca de acusações e ataques», até porque as eleições «irão decorrer num momento muito complexo da vida nacional», durante a saída da troika.

Cavaco quer ver os partidos a informar os portugueses sobre «as políticas que irão defender no Parlamento Europeu». «As querelas artificias e as controvérsias estéreis impedem o esclarecimento dos portugueses», afirmou.

O Presidente da República acredita que «o agravamento da crispação partidária poderá prejudicar entendimentos que se venham a revelar indispensáveis no futuro», ou seja, no pós-troika.

Aos portugueses, Cavaco apelou que «participem de forma ativa» nestas eleições, procurando informar-se «sobre o que está em causa» e votando, porque «as decisões tomadas nas instâncias europeias condicionam e influenciam» a sua vida.

«Quem se alhear do futuro da União Europeia estará a alhear-se do futuro de Portugal», avisou.

A campanha eleitoral para as europeias tem a duração de 12 dias. Com as eleições a 25 de maio, a campanha começa dia 12 e termina a 23 de maio.

Na segunda-feira, o chefe de Estado recebeu em audiência todos os partidos com assento parlamentar com vista à marcação da data das eleições europeias.