O debate quinzenal que decorre nesta sexta-feira na Assembleia da República foi perturbado por um «cheiro tóxico» que levou Assunção Esteves a sugerir interromper os trabalhos.

É um cheiro a gasóleo que se fez sentir fortemente no interior do hemiciclo no início dos trabalhos e que foi causado, segundo explicou a presidente da AR, por uma ruptura numa caldeira do edifício do Parlamento.

Alguns deputados chegaram a abandonar o local e as portas foram abertas, tendo o plenário prosseguido.

Pedro Passos Coelho está a responder sobre os cortes previstos pelo Governo em 2015 para atingir as metas. O primeiro-ministro garantiu já que não serão alargados os cortes em salários e pensões.

Notícia atualizada