Depois de dois adiamentos por causa da crise política que se instalou no Governo, o líder do CDS, Paulo Portas, propôs ao Conselho Nacional que a marcação do congresso do partido seja feita apenas na primeira quinzena de setembro, segundo apurou a TVI. Assim sendo, o CDS deixa de ter congresso marcado.

O Conselho Nacional do CDS-PP reuniu-se na noite de segunda-feira, no Porto, para desconvocar o conclave que estava agendado para o próximo fim de semana.

Com a crise política por resolver, os centristas optaram por adiar o congresso para depois das eleições autárquicas, marcadas para 29 de Setembro próximo.

A marcação de congressos do partido apenas pode ser feita por este órgão, pois cabe ao Conselho Nacional a marcação de nova data.

À entrada para a reunião do Conselho Nacional, António Pires de Lima disse «é importante dar sinal de tranquilidade neste momento». Na mesma altura, Ribeiro e Castro e Diogo Feio manifestaram apoio o adiamento do congresso neste momento de negociações políticas com vista a um acordo de salvação nacional, cujas reuniões estão a decorrer entre CDS, PSD e PS, a pedido do Presidente da República.

«Adiar o congresso é do melhor bom senso nesta altura», disse Diogo Feio à entrada para a reunião dos centristas.

Nesta segunda-feira, soube-se que o conselheiro David Justino esteve presente na reunião que se realizou na sede dos socialistas, no Largo do Rato, em Lisboa.