O CDS-PP acusou, este sábado à noite, o Partido Socialista (PS) de ter decidido unilateralmente o fim das negociações para um acordo de salvação nacional. O partido de Paulo Portas garante que houve pontos de entendimento durante os encontros com o PS e, por isso, o CDS continua disponível para o diálogo.

Em conferência de imprensa após a reunião da Comissão Política, Pedro Mota Soares garantiu que o CDS-PP fez tudo o que estava ao alcance para um «compromisso de salvação nacional». O dirigente centrista, que liderou a representação do CDS às negociações com PSD e PS, criticou a posição dos socialistas e defendeu que o CDS-PP agiu de boa-fé e fez propostas para reduzir divergências.

«Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance para chegar esse objetivo e lamentamos a posição do PS até por não ter reconhecido os pontos de convergência», afirmou.

O também ministro da Segurança Social lamentou atitude dos socialistas e acusou-os de serem responsáveis pelo fracasso: o Partido Socialista terminou o processo de diálogo «unilateralmente». Pedro Mota Soares reafirmou a disponibilidade do CDS-PP para negociar «em sede de instituições políticas e de concertação».

Nas reuniões com PSD e PS para um compromisso de salvação nacional, Mota Soares revelou que os centristas estiveram disponíveis «para alterar o calendário eleitoral» como propôs o Presidente da República. Ou seja, eleições legislativas antecipadas depois de Julho de 2014, no final do programa da troika.

«Procurámos não dificultar a vida ao PS, separando as medidas da sétima avaliação da troika que já foram votadas no Parlamento de outras que ainda não o foram votadas no Parlamento», adiantou o dirigente do CDS.

O partido esteve disponível para negociar com a troika uma «trajetória diferente para o défice», mas o PS não apresentou medidas alternativas de corte na despesa, afirmou Pedro Mota Soares.

O dirigente centrista recusou fazer qualquer comentário sobre o que poderá fazer agora o Presidente da República, que no domingo, às 20:30, faz uma comunicação ao país.