O Presidente da República retomou esta quarta-feira o apelo às forças políticas para um «compromisso de salvação nacional». Cavaco Silva considerou que os portugueses beneficiariam desse acordo no período «pós-troika» e apelou ao «espírito construtivo».



Na mensagem habitual de Ano Novo, o chefe de Estado lembrou que em julho de 2013, na sequência da crise política, propôs que as forças políticas alcançassem «um acordo de médio prazo», um «Compromisso de Salvação Nacional».



Cavaco Silva reafirmou esta quarta-feira estar «firmemente convicto» de que o «crescimento da economia, a criação de emprego e as condições de vida dos portugueses no período pós-troika beneficiariam de forma decisiva se fosse estabelecido um compromisso político de médio prazo em torno de grandes objetivos nacionais e de políticas públicas essenciais».



«Exige-se a todas as forças políticas, sem exceção, que compreendam de uma vez por todas: o que está em causa é o futuro de Portugal, o futuro das novas gerações», afirmou.



O Presidente da República afirmou que «Portugal é um dos países europeus onde o diálogo e o consenso entre os partidos políticos têm sido mais difíceis», considerando que «deveria ocorrer precisamente o contrário».



Na mensagem, o Presidente da República reforçou o apelo ao diálogo a propósito dos 40 anos do 25 de Abril, que se completam em 2014. Cavaco Silva anunciou que irá assinalar a data com a realização de uma conferência internacional com o tema «Espírito da Democracia, Cultura do Compromisso» e «Desafios do Desenvolvimento».



Cavaco Silva apontou um «património coletivo» de «democracia, liberdade, progresso e desenvolvimento e pertença à União Europeia» que não se pode perder «por causa de querelas conjunturais».



Para Cavaco Silva, em 2014, o país vive um «momento essencial» que torna «imprescindível que as forças políticas atuem com espírito construtivo», colocando os interesses do país acima dos interesses partidários. «Espero, pois, que todos os agentes políticos, económicos e sociais saibam estar à altura das exigências do futuro e das legítimas aspirações do nosso povo», rematou.



Veja aqui na íntegra a mensagem de Ano Novo do Presidente da República