O Presidente da República recusou hoje «especular sobre aquilo que será» o Orçamento para 2014 e sublinhou que será «muito cuidadoso nas declarações» enquanto a proposta do Governo «não receber os contributos» de todos os partidos no parlamento.

O chefe de Estado falava aos jornalistas em Cracóvia, na Polónia, à margem da reunião do Grupo de Arraiolos, que decorre entre hoje e quarta-feira, após ter sido questionado sobre as medidas que têm vindo a ser conhecidas, como o corte nas pensões de sobrevivência e na função pública.

«O Orçamento ainda não foi apresentado, só será apresentado, em princípio, por volta do dia 15 e o Presidente não pode especular sobre aquilo que será o Orçamento, depois acontece um debate aprofundado, é bom que o seja, aprofundado, com a participação de todas as forças políticas na Assembleia da República», afirmou Cavaco Silva.

Neste contexto, o Presidente da República frisou: «Serei sempre muito cuidadoso nas declarações sobre o Orçamento enquanto ele não chegar à minha mão, isto é, enquanto ele não receber os contributos de todos os partidos políticos na Assembleia da República de forma a encontrar as soluções melhores para o crescimento económico mas também aquelas que sejam mais justas na distribuição dos sacrifícios que são exigidos aos portugueses».