Luís Filipe Menezes criticou, esta quarta-feira, a gestão financeira autárquica de António Costa em Lisboa. O antigo presidente do PSD comentou a disponibilidade do autarca para liderar o PS, afirmando que «é bom que alguns mitos caiam».

«Às vezes, até é bom que determinado tipo de mitos caiam e, talvez, se houvesse um pouco mais de debate público e político, esses mitos não existiam», declarou Luís Filipe Menezes aos jornalistas, à margem da reunião do Conselho Nacional do PSD, que decorre num hotel de Lisboa.

De acordo com a Lusa, referindo-se à Câmara Municipal de Lisboa, o social-democrata alegou que António Costa é «presidente da câmara mais endividada do país, com 518 euros por habitante, contra 180 euros por habitante do Porto, 213 euros por habitante de Gaia».

O ex-presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia acrescentou que António Costa «gere uma câmara que tem nove mil funcionários, o maior rácio de funcionários por habitante do país». «Não é deste tipo de rigor que nós precisamos para a vida política portuguesa», concluiu.

«É bom que alguns mitos caiam, se calhar até era interessante que acontecesse alguma coisa no PS», reiterou.

Luís Filipe Menezes ressalvou que defende a «estabilidade política em geral». O antigo presidente do PSD considerou que «não é bom sinal» que um partido do arco da governação, após duas vitórias eleitorais, «entre numa cavalgada de divisões internas profundas que traduzem essa instabilidade».

De acordo com o social-democrata, «essa divisão também traduz um certo ressuscitar da anterior maioria do PS» liderada por José Sócrates, «porventura a principal responsável pela situação de crise dramática a que o país chegou».

Luís Filipe Menezes afirmou ainda que a coligação PSD/CDS-PP teve «uma derrota» nas eleições europeias de domingo, mas pode vir a «reeditar uma vitória eleitoral» e não teme «enfrentar qualquer líder do PS» nas legislativas.