O Presidente da República desmaiou no início do discurso das comemorações do 10 de Junho, que decorreram nesta terça-feira na Guarda.

Cavaco Silva discursava há apenas alguns minutos quando perdeu os sentidos e numa altura em que dezenas de populares em protesto exigiam a demissão do Governo e do Presidente, exibindo tarjas como «Governo Rua» e «Presidente incompetente, deixe o seu palácio para melhor gente».

O chefe de Estado foi imediatamente retirado do local e assistido por uma equipa médica atrás da tribuna presidencial, perante a consternação de muitos dos presentes, casos da primeira-dama, do ministro da Defesa Aguiar-Branco e da ex-ministra das Finanças Manuela Ferreira Leite.

Foi anunciado, entretanto, pelo Chefe do Estado Maior das Forças Armadas, que Cavaco Silva sofreu uma «breve indisposição» e que seria retomada a cerimónia a qualquer momento.

O general Pinto Monteiro pediu também àqueles que estavam a «perturbar as cerimónias» que mostrassem respeito pelo Presidente e pelas Forças Armadas.

Dezenas de populares responderam com gritos de «demissão, demissão».

Os jornalistas, que se encontravam perto do local onde Cavaco estava a ser assistido, foram afastados pela segurança.

O Presidente da República retomou às 11:00 o seu discurso comemorativo do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas que interrompera cerca de 30 minutos antes por se sentir mal.

Sem qualquer referência ao motivo da interrupção, Cavaco Silva retomou o discurso onde o tinha deixado.

De acordo com o médico que o assistiu, o chefe de Estado sentiu esta manhã uma «reação vagal» nunca tendo perdido a consciência.

«O senhor Presidente da República sentiu uma reação vagal, da qual recuperou rapidamente, nunca tendo perdido a consciência e sempre manifestou intenção de concluir o seu discurso», declarou à agência Lusa o major-general médico José Duarte, da Força Aérea, que assistiu Cavaco Silva.

Uma reação vagal é uma das causas mais comuns de desmaio.

Fonte de Belém acrescentou à Lusa que a sessão solene, que tem início marcado para as 12:00 no Teatro Municipal da Guarda, irá decorrer como planeado.