ajudas de 290 milhões

“Estamos perante uma inaceitável ingerência da União Europeia na soberania do Estado português e no inalienável direito do Estado português decidir sobre a defesa, valorização e desenvolvimento dos seus setores e empresas estratégicas”, afirmou à agência Lusa João Ferreira.






não vai reclamar

“Esta reação demonstra a completa submissão do Governo perante interesses alheios aos interesses nacionais e um absoluto desprezo pelo aparelho produtivo nacional e por este setor da construção naval, em particular”, disse João Ferreira.