O presidente do PS/Açores disse esta segunda-feira que a líder do CDS-PP foi responsável por um dos maiores atentados à autonomia regional e afirmou que os socialistas estão muito satisfeitos por terem concretizado a liberalização do espaço aéreo.

“Foi pela mão do CDS-PP e, em concreto, pela mão da dr.ª Assunção Cristas, que um dos maiores atentados à autonomia dos Açores se consumou com ela como ministra, exatamente naquilo que tem a ver com a legislação relativa à exploração dos recursos do mar, em que os Açores foram espoliados dos direitos que devem ser seus e essa é uma responsabilidade da dr.ª Assunção Cristas”, declarou Vasco Cordeiro.

O cabeça de lista do PS pelo círculo de São Miguel e recandidato à presidência do Governo dos Açores falava aos jornalistas em Ponta Delgada, após visitar a mais recente loja da RIAC – Rede Integrada de Apoio ao Cidadão, ao ser confrontado com as declarações da presidente do CDS-PP, Assunção Cristas.

No domingo, na ilha Terceira, Assunção Cristas declarou que “foi pela mão do CDS, num trabalho também muito forte em conjunto com o CDS/Açores, que se conseguiu liberalizar o espaço aéreo e hoje vemos o turismo a aparecer, primeiro numas ilhas, mas depois noutras”.

Vasco Cordeiro respondeu que a liberalização “foi uma proposta apresentada pelo Governo Regional do Partido Socialista, negociada pelo Governo Regional do Partido Socialista e concretizada pelo Governo Regional do Partido Socialista”.

“Nós, Partido Socialista dos Açores, estamos muito satisfeitos pelo facto de termos conseguido também concretizar essa reforma de grande importância para a região”, declarou.

O candidato salientou, ainda, a importância da RIAC e o trajeto realizado “de melhorar a capacidade da administração pública” em servir a população, adiantando que, na próxima legislatura, o PS “pretende desencadear um processo de simplificação administrativa”.

Para o açoriano que precisa de pedir uma licença ou fazer um requerimento, “a ideia é permitir que, de forma interativa, possa ter um conhecimento mais direto e mais imediato de todos os passos que este processo vai seguindo”, disse Vasco Cordeiro.

Uma segunda componente tem a ver com aqueles que entram no processo de contratação para a administração regional.

De acordo com o candidato, a medida vai dar, “por um lado, a possibilidade de seguirem todo este processo da sua contratação através de meios eletrónicos”, além de “introduzir e reforçar cada vez mais uma nota de abertura neste procedimento e de redução ao máximo daquilo que é uma margem de discricionariedade”.

A RIAC conta atualmente com 54 lojas. A primeira abriu em 2004 e nestes espaços é possível, por exemplo, fazer documentos de identificação pessoal ou do carro e aceder a serviços da Segurança Social, de saúde ou relacionados com o pagamento de contas de serviços públicos.

Atualmente, esta rede conta com cerca de 150 colaboradores.