O Presidente da República alertou, esta segunda-feira, para os "sérios desafios" com que a União Europeia se depara, considerando que requerem uma firme solidariedade entre os estados-membros e "uma boa dose de criatividade e muito bom senso".

"A União Europeia depara-se com sérios desafios, que irão requerer uma firme solidariedade entre os estados-membros, uma boa dose de criatividade e muito bom senso. Simultaneamente, precisamos de continuar a desenvolver esforços na promoção do crescimento e do emprego", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, no jantar de Estado oferecido em honra do Presidente da Bulgária, que decorreu no Palácio da Ajuda, em Lisboa.

Esforços que, defendeu o Presidente, devem também ser desenvolvidos na implementação de políticas europeias fortes no domínio dos investimentos estruturais e do funcionamento do mercado único incluindo a componente digital, na União para a Energia e nas interconexões energéticas.

"E parece-me igualmente imprescindível revigorar a ligação afetiva entre os cidadãos e o projeto europeu", acrescentou.

Na intervenção perante o homólogo búlgaro, que iniciou hoje uma visita de Estado de dois dias a Portugal, Cavaco Silva saudou também a adesão da Bulgária ao Centro Norte-Sul do Conselho da Europa, considerando que vem corroborar e reforçar a importância daquela plataforma de diálogo solidário.

O Presidente da República voltou ainda a frisar a importância da visita de Rosen Plevneliev a Portugal, considerando que constituirá um contributo importante para o reforço do relacionamento entre os dois países, já que é possível ainda "fazer muito mais".

"Em termos globais, o relacionamento económico entre os nossos dois países está aquém das potencialidades existentes", vincou, defendendo a necessidade de identificar e promover novas oportunidades de negócio e investimento entre empresários portugueses e búlgaros.

No discurso, Cavaco Silva recordou ainda a visita que efetuou em junho a Sófia, onde testemunhou o que aí tem vindo a ser feito ao nível do ensino de português.

"Espero que se continue a dinamizar o intercâmbio de jovens e a curiosidade recíproca sobre a produção cultural contemporânea dos dois países", disse.