O vice-presidente do PSD afirmou esta quarta-feira que mantém a confiança nos professores e reiterou que os incidentes ocorridos durante as provas de avaliação foram causados por pessoas que não pertencem à classe.

«Lamentamos os incidentes que ocorreram ontem, censuramos o comportamento de algumas pessoas que, não sendo professores nem tendo nada a ver com as escolas, provocaram esses incidentes e queremos deixar claro que temos uma enorme confiança nos professores e na sua capacidade, dedicação e qualidade que têm dado à escola pública», afirmou aos jornalistas Marco António Costa.

Para o porta-voz do PSD, os incidentes ocorridos em algumas escolas, com «cenas que não dignificam a escola pública e a sociedade portuguesa», foram provocados por «pessoas que não eram sequer professores, mas sim agitadores políticos e outros agitadores partidários sob a capa de sindicalistas».

«Não podemos de forma alguma deixar que se manche a imagem dos professores com o que se passou ontem», sublinhou.

Marco António Costa falava à margem de uma reunião com deputados do partido da comissão de agricultura e dirigentes de organizações agrícolas, de quem ouviu preocupações.

Ainda na terça-feira, o PSD, através do deputado Duarte Marques, já tinha acusado os sindicalistas «profissionais dos protestos» de mancharem a imagem dos docentes.

Nas declarações que fez aos jornalistas, o ex-líder da JSD sustentou que a maioria dos professores portugueses «tem qualidade e não concorda também com estas imagens de invasão registadas em algumas escolas, ou com atos em que se impede os próprios colegas de fazerem a sua prova tranquilamente, como merecem».

«O PSD admite que alguns professores não concordem com a prova, mas os professores têm o direito de poderem fazer a sua prova com tranquilidade e no respeito pela sua própria autonomia. Estes protestos só estão a manchar a imagem dos professores, sobretudo quando é impedida a boa realização da prova de um colega. Nestes casos, estamos perante um atentado à própria liberdade», insistiu o «vice» coordenador da bancada social-democrata para as questões de educação.

Duarte Marques fez depois duras acusações à FENPROF (Federação Nacional dos Professores) e, sobretudo, ao seu líder, Mário Nogueira.