O PS pediu hoje «explicações» a Pedro Passos Coelho sobre a alegada existência de nomeações de cariz partidário «feitas em catadupa» na Câmara Municipal de Gaia, dois dias após as eleições autárquicas de 29 de setembro.

«Pedro Passos Coelho deve uma explicação pública. O JN dá hoje notícia da existência de nomeações de cariz político-partidário num quadro institucional autárquico que apenas permite, de acordo com as regras do Estado de Direito, a gestão de assuntos correntes», refere comunicado assinado por José Luís Carneiro.

O líder do PS/Porto e membro do secretariado nacional do partido considera que «essas nomeações, feitas em catadupa, efetuadas para diversas entidades municipais da Câmara de Vila Nova de Gaia, relativas a militantes e simpatizantes do PSD, evidenciam uma política que colide com o esforço que é pedido aos portugueses por parte do Governo e do primeiro-ministro».

«O Partido Socialista pergunta ao presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, se tem conhecimento destas práticas partidárias lesivas do interesse e dos princípios de independência, isenção e imparcialidade que devem presidir ao recrutamento de colaboradores para a administração pública», pode ler-se no documento hoje divulgado.

O PS quer ainda saber o que Passos Coelho «pretende fazer para sancionar os que, em nome do Partido Social Democrata, adotaram esta conduta».

Em causa está uma notícia hoje divulgada pelo Jornal de Notícias segundo o qual dois dias após as eleições, a coligação que ainda geria a Câmara de Gaia contratou 20 pessoas diretamente para o quadro das empresas municipais de Águas e Parque Biológico de Gaia e da Gaiurb ¿ Urbanismo e Habitação, entre os quais dois ex-vereadores do executivo de Luís Filipe Menezes.