Um grupo de 45 deputados socialistas subscreveu esta quinta-feira um abaixo-assinado a apelar à presidente do PS, Maria de Belém, para interceder a favor da marcação de eleições diretas para a liderança e um congresso extraordinário.

Apoiantes de Costa não excluem vaga de demissões na bancada do PS

Nestes 45 deputados, num total de 74 da bancada socialista, estão incluídos sete dos 13 membros da direção do Grupo Parlamentar, e o ex-secretário-geral e vice-presidente da Assembleia da República Ferro Rodrigues.

Estre abaixo-assinado, que é dirigido a Maria de Belém, foi promovido pelo ex-ministro Jorge Lacão e visa apelar à presidente do PS para que encurte os prazos para a escolha de uma nova liderança do partido - processo que este grupo entende dever passar por eleições diretas para o cargo de secretário-geral e por um congresso extraordinário.

Na semana passada, durante uma reunião da Comissão Política, o PS aprovou por larga maioria a convocação de eleições primárias abertas a simpatizantes para o dia 28 de setembro, tendo em vista a escolha do candidato socialista a primeiro-ministro.

Interrogado pelos jornalistas, Jorge Lacão não tomou posição sobre a realização de eleições primárias, tal como aprovou a Comissão Política, mas defendeu que a questão da liderança do PS deverá ser resolvida de forma mais rápida por via de eleições diretas para a liderança e por um congresso extraordinário.

Além de Ferro Rodrigues, neste grupo, que tem uma posição coincidente com a do presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, estão sete vice-presidente da bancada socialista: Ana Catarina Mendes, Odete João, Pedro Marques, Sónia Fertuzinhos, Pedro Nuno Santos, Hortense Martins e Marcos Perestrello.

Tendo ao seu lado o ex-ministro Vieira da Silva, Jorge Lacão defendeu que os subscritores do abaixo-assinado manifestam junto da presidente do PS «a sua preocupação para que a incontornável clarificação interna não se arraste no tempo, limitando por esse efeito, de forma significativa, a capacidade de afirmação política do PS».

«Este conjunto maioritário do PS apela à presidente do PS para que no exercício da sua função mediadora, particularmente junto do secretário-geral [António José Seguro], desenvolva os seus melhores esforços para que se possam encurtar os prazos de clarificação interna no PS com recurso a congresso extraordinário e eleições diretas para a liderança. No entendimento destes deputados, a preocupação é que se gerem condições o mais depressa possível para que se façam as necessárias escolhas dentro do PS, mas que se façam sem arrastar de forma excessiva e prolongada», sustentou Jorge Lacão.

Jorge Lacão alegou ainda que «o país espera uma clarificação efetiva no PS, mas igualmente espera que o PS não se concentre excessivamente em si próprio para poder estar apto a assumir plenamente as suas responsabilidades políticas».

Confrontado com a interpretação de que os atuais estatutos não permitem eleições diretas para o cargo de secretário-geral, mesmo que seja convocado um congresso extraordinário, o ex-ministro dos Assuntos Parlamentares deu a seguinte resposta: «Quando há vontade política para se resolverem os problemas de natureza procedimental, esses mesmo problemas encontram solução».

A presidente do PS limitou-se hoje a afirmar que irá dar conhecimento ao secretário-geral, António José Seguro, sobre o teor do abaixo-assinado de 45 deputados do PS a defender diretas para a liderança e congresso extraordinário.