O secretário nacional para a Organização do PS, Miguel Laranjeiro, assegurou esta quarta-feira que estão criadas todas as condições para que as eleições para a Federação Distrital de Braga decorram com «normalidade» e recusou o adiamento do ato eleitoral.

PS: quotas pagas a mortos e emigrantes

«O ato eleitoral decorrerá com normalidade, é preciso serenidade nestas matérias e estão criadas todas as condições para isso acontecer», afirmou Miguel Laranjeiro, em declarações aos jornalistas na sede do PS a propósito de alegadas irregularidades nas eleições para a Federação Distrital de Braga, marcadas para 6 de setembro.

Insistindo que «estão criadas todas as condições para que, como em todo o país, também na Federação de Braga sejam realizadas as eleições no dia 6», o dirigente socialista recusou a hipótese do ato eleitoral ser adiado e garantiu que as duas irregularidades encontradas foram de imediato corrigidas.

«Seremos implacáveis e irredutíveis e muito firmes no cumprimento de todos os estatutos, todos os regulamentos, todas as normas que estão em vigor», frisou.

Questionado sobre as declarações do candidato às primárias do PS António Costa, que na terça-feira disse esperar que as alegadas irregularidades nas eleições para a Federação Distrital de Braga sejam «rapidamente esclarecidas», Miguel Laranjeiro disse não as ter ouvido.

O secretário nacional para a Organização do PS recordou ainda que a atual direção do partido na alteração de estatutos que realizou teve sempre a preocupação de «aumentar a transparência e o rigor», dando como exemplo que no ato da inscrição como militante agora é necessário apresentar uma fotocópia do bilhete de identidade ou cartão do cidadão, assim com uma prova de residência.

Por outro lado, acrescentou, ao contrário do que acontecia no passado os cadernos eleitorais são encerrados um mês antes das eleições, quando antigamente se podia regularizar a situação das quotas até ao ato eleitoral.

Miguel Laranjeiro lembrou também que, de acordo com os estatutos, o exercício do direito de voto é presencial e o militante tem de levar um documento de identificação civil e tem de rubricar a sua participação no caderno eleitoral.