Nuno Severiano Teixeira, ex-ministro de José Sócrates, defendeu esta noite na TVI24, que uma «parceria estratégica» só é possível entre «duas democracias» e que esse «não é o caso» de Angola. Por outro lado, Martins da Cruz considerou que Angola teve eleições livres e que adiantou que a cimeira ainda está a ser preparada.

«A parceria estratégica é do ponto vista diplomático, o sr. Embaixador sabe isso melhor do que eu, o grau mais elevado das relações entre dois Estados e isso significa um grau de confiança entre dois Estados que só é possível entre democracias. Não é o caso. E portanto eu penso que esse tipo de parceria estratégica não corresponde ao interesse de Portugal», disse Nuno Severiano Teixeira, ex-ministro da Defesa de José Sócrates.

Martins da Cruz, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do governo de Durão Barroso, rebateu: «Quer as Nações Unidas, quer a União Europeia tiveram observadores nas últimas eleições e disseram que as eleições foram livres, portanto, eu não sei, há muitas maneiras de definir uma democracia, mas eu não ia por aí, porque se não Portugal só teria relações com meia dezena de países no mundo».

O ex- MNE disse ainda que a cimeira luso-angolana ainda não foi totalmente descartada. «Eu sei que há comités em Portugal que continuam a preparar a cimeira para a ter pronta, para serem assinados os documentos, ou alguns dos documentos que eram para ser assinados», disse Martins Cruz,