«Com uma agenda fantasiosa, os mercenários da "troika" regressam a Lisboa. Instalados na modéstia austera do Ritz, querem agora cortar salários privados, mexendo de novo nas leis laborais. Isto não tem fim, pese a retórica nacionalóide do protectorado. Preços alemães, salários chineses¿ E passem para cá os juros!»