O secretário-geral do PS, António José Seguro, afirmou hoje que é importante que o «Governo não atrapalhe» o desenvolvimento do interior do país e «que saia da frente».

António José Seguro falava à margem de um jantar que realizou com autarcas do distrito de Castelo Branco, em Termas de Monfortinho, concelho de Idanha-a-Nova, onde permanecerá durante o dia de sábado, numa visita que tem como temática o «Mundo Rural - Contributo para um Portugal Sustentável».

«O concelho de Idanha-a-Nova é um dos concelhos que ilustra bem que quando há vontade e quando há determinação da autarquia é possível atrair investimento para o Interior. É necessário é que o Governo não atrapalhe, que saia da frente e que não encerre serviços que são fundamentais para as pessoas que cá vivem e também para atrair novos investimentos», referiu.

António José Seguro garantiu que o partido dá o respetivo «contributo» e recordou que o PS «ainda hoje» apresentou «na Assembleia da República uma proposta que visa reduzir para metade o imposto que as empresas pagam [IRC] desde que estejam sediadas no interior».

«Mas que não sejam apenas os seus escritórios. Têm de ser também as suas unidades fabris, isto é o emprego que essas empresas criam», especificou.

O secretário-geral do PS garantiu ainda que «há condições para o fazer» e assumiu que espera que o Governo aprove as propostas apresentadas porque «isso é bom para os portugueses e é bom para o interior», declarou.

O líder do PS acrescentou também que foi «graças a governos socialistas» que foi possível levar até aquela região «duas ferramentas importantes para empresários portugueses: o gás natural e a fibra ótica».

«Há muitas empresas que, se não houvesse gás natural, não se teriam fixado aqui», concluiu.