O CDS-PP vai indicar o quarto e o oitavo elementos da lista conjunta com o PSD para as eleições europeias, segundo o acordo aprovado pela Comissão Política centrista na sexta-feira, disseram à Lusa fontes partidárias.

O mandato dado pela Comissão Política Nacional ao presidente do CDS-PP e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, ao acordo a ser assinado hoje com o PSD passa pela indicação do quarto lugar e do oitavo na lista às eleições europeias de 25 de maio, disseram as fontes.

Paulo Portas já tinha anunciado que o primeiro nome dos centristas seria o atual eurodeputado Nuno Melo, que integrará, assim, a lista encabeçada pelo social-democrata e também eurodeputado Paulo Rangel.

Serão indicados mais quatro candidatos em posições não elegíveis, de acordo com as mesmas fontes.

O critério para os lugares atribuídos ao CDS-PP foi a aplicação dos resultados que PSD e CDS tiveram nas europeias de 2009 corrigindo o facto de Portugal eleger menos um eurodeputado.

Com o método de Hondt aplicado a esse critério, o CDS teria o quarto e nono lugar, mas a correção ditou que os centristas ficassem com o oitavo.

Em 2004, a última vez que PSD e CDS-PP se apresentaram coligados às eleições europeias, a lista «Força Portugal» era encabeçada pelo ex-ministro social-democrata João de Deus Pinheiro e conseguiu eleger nove eurodeputados. Dos nove, dois foram indicados pelo CDS-PP: Luís Queiró (que estava em quarto lugar na lista conjunta) e Ribeiro e Castro (o nono candidato).

A comissão política mandatou por unanimidade Paulo Portas para assinar o acordo hoje com o PSD, um ato que terá lugar num hotel de Lisboa, pelas 11:00.

As listas serão aprovadas no Conselho Nacional centrista na quarta-feira, em Lisboa.