As eleições para a Câmara de Fafe vão voltar ao Tribunal Constitucional, por a lista de Independentes considerar existirem dúvidas em relação a uma série de votos que «podem alterar o vencedor».

«Há uma série de votos que nos suscitam sérias dúvidas e dos quais vamos reclamar para o Tribunal Constitucional. Face à curta diferença que nos separa do PS, esses votos podem alterar o vencedor das eleições», disse esta quarta-feira à agência Lusa o mandatário da lista «Independentes por Fafe», Parcídio Summavielle.

Na assembleia de apuramento geral, o PS foi dado como vencedor da Câmara, com 20 votos de vantagem em relação aos «Independentes por Fafe», mas estes recorreram para o Tribunal Constitucional (TC), face às irregularidades que dizem ter detetado.

O TC ordenou a recontagem dos votos em 12 secções, um processo que decorreu desde o início da manhã de terça-feira até as 2h30 da manha de quarta-feira.

Face ao adiantado da hora, o processo foi suspenso, estando o recomeço marcado para as 9:30, para apuramento geral e elaboração da respetiva ata.

«Pelos nossos números, que, para já, são apenas oficiosos, a diferença em relação ao PS terá baixado de 20 para 17 votos», referiu Parcídio Summavielle.

Os Independentes por Fafe vão protestar 15 votos junto do Tribunal Constitucional, que foram anulados ou validados a favor do PS. Além disso, vão ainda reclamar pela alegada inexistência de «uns 50 a 60» boletins de votos nulos.