O Presidente da República visita quinta e sexta-feira as Selvagens, na Madeira, numa deslocação que coincide com o 50º aniversário da primeira expedição científica àquelas ilhas e pretende assinalar a «importância científica, ambiental e estratégica» do sub-arquipélago.

A visita esteve inicialmente prevista para sexta-feira e sábado mas foi antecipada um dia, não sendo apontada por Belém uma justificação oficial para esta alteração.

No domingo, PSD, PS e CDS-PP iniciaram formalmente as conversações com vista ao «compromisso de salvação nacional» pedido pelo Presidente da Repúbblica, tendo indicado o prazo de uma semana para a sua conclusão.

De acordo com uma nota divulgada no site da Presidência da República, a visita às Ilhas Selvagens, o sub-arquipélago atlântico localizado mais a sul no território português, terá início na quinta-feira, na Selvagem Pequena.

Ainda na quinta-feira, Cavaco Silva irá embarcar no navio oceanográfico «Gago Coutinho», passando depois a noite na Selvagem Grande. Na sexta-feira de manhã, o Presidente da República regressará a Lisboa.

A visita do Presidente da República, que coincide com a presença de missões científicas e de investigadores nas águas do sub-arquipélago, constituirá, segundo a Presidência da República, «nova oportunidade para dar ênfase ao mar enquanto desígnio nacional».

«Além de acompanhar o trabalho em curso das missões científicas e de contactar com dirigentes de instituições que promovem uma exploração sustentada do mar, o Presidente da República reunir-se-á com os responsáveis da Reserva Natural das Ilhas Selvagens, que se tem dedicado a preservar várias espécies, o ecossistema e a biodiversidade», é ainda indicado na nota de Belém.

Durante a visita, é igualmente referido, serão também apresentadas ao Presidente da República as atividades desenvolvidas no âmbito da Extensão da Plataforma Continental Portuguesa e da Estratégia Nacional para o Mar.

Cavaco Silva será o terceiro chefe de Estado a visitar as Ilhas Selvagens, ao largo da Madeira, depois de Mário Soares e de Jorge Sampaio, mas ao contrário dos seus antecessores irá mesmo dormir na Selvagem Grande.

As Ilhas Selvagens estão localizadas no Atlântico Norte entre os paralelos 30º 01' 35'' Norte e os 30º 09' 10'' Norte e os meridianos 15º 52' 15'' e 16º 03' 15'' Oeste e têm uma área aproximada de quatro quilómetros quadrados.

As Selvagens são formadas por três ilhas: a Selvagem Grande, a Selvagem Pequena e o Ilhéu de Fora.

A Selvagem Grande tem aproximadamente 245 hectares de superfície, apresenta um planalto a 100 metros de altitude e o seu ponto mais alto ergue-se no Pico da Atalaia a 163 metros, enquanto que as suas encostas são falésias vulcânicas abruptas.

A Selvagem Pequena tem cerca de 20 hectares de superfície e o Ilhéu de Fora 8 hectares, localizando-se a 11 milhas para Sudoeste da Selvagem Grande no que traduz o local mais a sul do território português.

As Ilhas Selvagens são consideradas um polo de biodiversidade terrestre e marinha.

A Selvagem Pequena e o Ilhéu de Fora são mesmo consideradas santuários pelo facto dos seus habitats se encontrarem inalterados pelo homem, situação considerada rara no mundo.

Classificadas como Reserva Natural Integral desde 1971, as Selvagens foram ainda distinguidas com o Diploma Europeu pelo Conselho da Europa, na máxima categoria, em 1992, e fazem parte dos Sítios de Importância Comunitária na Rede Natura 2000.