O Presidente da República defendeu hoje o relançamento industrial, apontando a «indústria do futuro» como uma atividade capaz de conciliar as dimensões económicas, ambientais e sociais, e repetiu o apelo ao investimento na investigação e desenvolvimento.

«A indústria do futuro deve ser (...) uma atividade produtiva capaz de conciliar as dimensões económicas, ambientais e sociais do desenvolvimento sustentável. A produção industrial deverá basear-se numa utilização mais eficiente da energia e dos recursos naturais, com uma atenção mais responsável à segurança e à qualidade dos produtos e à sua relação com o ambiente», afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, no encerramento do IX Encontro da COTEC Europa, que decorreu na Fundação Champalimaud, em Lisboa.

Rejeitando um regresso à indústria do passado, «à visão obsoleta e saudosista das grandes indústrias pesadas, de baixo valor acrescentado, com um uso intensivo de energia e recursos naturais, com uma relação precária, ou mesmo nociva, com o ambiente e com a qualidade de vida das populações», o chefe de Estado reiterou a necessidade de investir em Investigação&Desenvolvimento, notando que as empresas que o fazem são aquelas com maior sucesso.