O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu esta tarde posse a oito novos secretários de Estado, numa cerimónia no Palácio de Belém, em Lisboa, que oficializou a maior mudança até agora na composição do atual Governo.

Os novos governantes tomaram posse na presença do primeiro-ministro, António Costa, e da maioria dos ministros do XXI Governo, numa cerimónia realizada na Sala dos Embaixadores do Palácio de Belém, em Lisboa, que durou perto de sete minutos.

Tomaram posse os seguintes secretários de Estado: Ana Paula Zacarias (Assuntos Europeus), Eurico Brilhante Dias (Internacionalização), Tiago Antunes (Presidência do Conselho de Ministros), Maria de Fátima Fonseca (Administração e Emprego Público), António Mendonça Mendes (Assuntos Fiscais), Ana Teresa Lehmann (Indústria) e Miguel João de Freitas (Florestas e Desenvolvimento Rural), Ana Pinho (Habitação).

Esta foi a terceira e maior recomposição do XXI Governo, que está em funções desde 26 de novembro de 2015, e alterou os titulares de sete secretarias de Estado de cinco ministérios, e criando ainda uma nova secretaria de Estado da Habitação, na dependência do ministro do Ambiente.

Assistiram a esta cerimónia 14 dos 17 os ministros do executivo - estiveram ausentes o ministro Adjunto, Eduardo Cabrita, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino - e também os secretários de Estado exonerados, com exceção de Fernando Rocha Andrade, que tutelava os Assuntos Fiscais.

No final da cerimónia, após cumprimentar os novos governantes, o primeiro-ministro, António Costa, atravessou a sala dirigindo-se aos ex-secretários de Estado presentes, que cumprimentou, começando por Margarida Marques, a quem deu dois beijinhos e disse "muito obrigado".

O primeiro-ministro agradeceu depois aos secretários de Estado exonerados "pelo contributo que deram ao Governo e aos portugueses" e desejou felicidades aos oito novos governantes.

"Só queria dizer duas palavras: primeiro, de agradecimentos aos senhores e senhoras secretários de Estado que hoje cessaram funções pelo contributo que deram ao governo e aos portugueses. E uma segunda palavra aos que hoje iniciam funções desejando, naturalmente, que tenham as maiores felicidades no exercício dessas funções para executarmos bem o programa do Governo."