O PSD acusou esta sexta-feira o PS de pretender «desviar as atenções» das suas responsabilidades nos contratos swap e de pedir a demissão da ministra das Finanças «à revelia» dos trabalhos da comissão de inquérito, com "acusações gravíssimas".

«Não temos qualquer dúvida de que aquilo que o PS pretende é que publicamente não sejam divulgados os resultados das razões que levaram o Governo socialista a permitir a realização de contratos de risco, querendo desviar as atenções dessa realidade, fazendo este bruá, esta contestação com os restantes partidos da oposição», afirmou a social-democrata Teresa Leal Coelho, em declarações à Lusa e à Antena 1.

A vice-presidente da bancada do PSD considerou «surpreendente» o pedido de demissão da ministra de Estado e das Finanças pelo PS e acusou os socialistas e proferirem «agressões públicas» à governante.

Teresa Leal Coelho defendeu que as «alusões a eventuais mentiras ditas pela ministra Maria Luís» [Albuquerque] são «gravíssimas no Estado de Direito democrático» e que «as eventuais contradições no âmbito da comissão de inquérito só poderão ser apuradas depois de decorridos os trabalhos».

«Há uma comissão de inquérito relativa aos contratos derivados, os designados swap, que visa precisamente apurar as razoes porque os contribuintes portugueses foram lesados em razão da realização de contratos swap, sobretudo entre 2008 e 2010, num período de governação socialista», assinalou.

A deputada do PSD disse existirem «um conjunto de contradições decorrentes de declarações de ex-dirigentes socialistas na comissão de inquérito» e que só «no final, em sede de conclusões, se poderão apurar definitivamente e com todas as garantias».

«Não temos neste momento condições para chegar a conclusões e o PS também não tem», advogou, referindo, contudo, que «a única conclusão inequívoca é que durante o Governo socialista foram realizados contratos swap no âmbito das empresas públicas que tiveram uma consequência gravíssima no erário público», sem «regulação ou intervenção da tutela e do acionista que é o Estado».

A deputada do PSD referiu ainda que em 2009 o então secretário de Estado do Tesouro do PS, Carlos Costa Pina, emitiu «um despacho sobre esta matéria» e que mesmo «assim continuaram a celebrar-se contratos swap».

Teresa Leal Coelho sugeriu ainda que o PS está a desviar-se do objeto central desta comissão de inquérito.

«O que queremos apurar é se através das administrações das empresas públicas e da tutela pelo Governo foram introduzidos os mecanismos adequados a acautelar o interesse público durante o período do Governo socialista, uma vez que a grande maioria dos contratos foram efetivamente realizados nesse período», observou.

O PS e o PCP pediram hoje no parlamento a demissão de Maria Luís Albuquerque, acusando-a de mentir deliberamente no inquérito aos contratos swap.

Comunistas e bloquistas também já requereram uma nova audição da governante na sequência da divulgação de novos documentos, refere a Lusa.