Mariana Mortágua, do BE, afirmou que as estatísticas oficiais do desemprego “não traduzem toda a realidade”, defendendo que os dados reais situam-se nos 25%.

“Os dados do desemprego não nos trazem grande novidade, as estatísticas oficiais continuam a revelar dados do desemprego estruturais muito elevados, mas sabemos hoje que as estatísticas oficiais não nos traduzem toda a realidade do desemprego”, sublinhou a deputada aos jornalistas numa conferência de imprensa na sede do BE, em Lisboa.


Mariana Mortágua defendeu que “há três ou quatro realidades, nomeadamente estágios, formações, pessoas que desistiram de procurar emprego porque não conseguiam, ou a emigração, que fazem com que estas pessoas saiam das estatísticas”.

“Juntem todas estas pessoas e vão chegar à conclusão que a taxa de desemprego em Portugal não é 12,4%, é 25%”, vincou.


A deputada deixou o repto a “todos aqueles e aquelas que têm interesse nesta matéria” para irem “ao INE [Instituto Nacional de Estatística] procurar os dados dos desencorajados, procurar os dados dos desempregados a tempo parcial (…) e vão ao instituto de formação profissional e emprego procurar os dados dos estágios e da formação”.

Mariana Mortágua declarou ainda que espera que se comecem a discutir “dados reais e não dados fictícios que são manipulados para poder provar uma estratégia que é falsa”, reporta a Lusa.

A taxa de desemprego manteve-se inalterada em junho face a maio, nos 12,4%, segundo a estimativa mensal divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“A estimativa provisória da taxa de desemprego para junho de 2015 situa-se em 12,4%, mantendo-se inalterada em relação à estimativa definitiva obtida para maio de 2015”, refere o INE.

Segundo o instituto estatístico, a estimativa provisória da população desempregada para junho de 2015 foi de 636,4 mil pessoas, enquanto a estimativa provisória da população empregada foi de 4.492,7 mil pessoas, mantendo-se ambas “praticamente inalteradas” em relação ao mês anterior.