Atualizado às 18:02

O Ministério Público da Comarca de Vouzela deduziu, esta sexta-feira, a acusação contra dois arguidos pela autoria dos incêndios de agosto de 2013, na serra do Caramulo, que provocaram quatro vítimas mortais, grande número de feridos e elevados prejuízos materiais.

«Os arguidos foram acusados dos crimes de incêndio florestal, homicídio qualificado e ofensa à integridade física qualificada», pode ler-se no comunicado da Procuradoria-Geral da República.

Os arguidos estão em prisão preventiva, «tendo o Ministério Público requerido que continuem, até julgamento, sujeitos a esta medida de coação».

«A pedido do Ministério Público, o julgamento será realizado por um tribunal de júri», conclui o comunicado.

Em agosto de 2013, a Polícia Judiciária (PJ) anunciou a detenção do suspeito de ter ateado um incêndio florestal «de grandes dimensões» na serra do Caramulo, que provocou a morte a quatro bombeiros.

O jovem, de 20 anos, foi detido pelo Departamento de Investigação Criminal de Aveiro e Diretoria do Centro da PJ, com a colaboração do Núcleo de Proteção Ambiental da GNR de Viseu de Santa Comba Dão.

Fonte da PJ explicou então que o jovem agiu «em colaboração com um outro indivíduo, este emigrante», ateando «vários focos de incêndio na Serra do Caramulo, nos concelhos de Vouzela e Tondela, no dia 20 de agosto, que se transformaram num fogo de grandes dimensões».

A mesma fonte referiu ainda que o suspeito terá agido por vingança, depois de lhe ter sido aplicada uma multa pela GNR.

No mês seguinte, o alegado coautor deste incêndio, de 28 anos, emigrante no Luxemburgo, entregou-se voluntariamente às autoridades.

Da lista dos grandes incêndios de 2013 fazem parte os fogos que deflagraram na serra do Caramulo que, na zona de Tondela, consumiram 6.841 hectares.