O ex-secretário-geral dos socialistas José Sócrates disse, este domingo, que não gosta da solução de eleições primárias para a escolha do candidato do partido a primeiro-ministro e que esta é uma má solução para o partido neste momento.

Para José Sócrates, esta [eleições primárias] é uma «má solução para o Partido Socialista» neste momento.

«Eu não gosto da solução, mas parece-me muito pior neste tempo», disse José Sócrates no seu comentário semanal na RTP1, sublinhando que este tipo de eleições «nunca» lhe foi «simpática» e que a sua opinião nem sequer é desconhecida de todos os militantes do Partido Socialista (PS).

Para o antigo primeiro-ministro, as eleições primárias pressupõem algumas questões que ficam sem resposta. «Como se define um simpatizante do Partidos Socialista», «como é que se atesta» que alguém é simpatizante do PS são, segundo Sócrates, algumas dessas questões.

«Suponhamos que poder-se-á dizer que podemos considerar simpatizante do PS alguém que é suportado pela declaração de dois militantes», aventou.

«Se vamos para isso, então com a situação que está agora criada converteremos as duas fações, de um lado e do outro de militantes, em arrebanhadoras de simpatizantes», argumentou.

«Isso quer dizer que a partir do momento em que for definido o universo eleitoral vão todos em busca de simpatizantes para que votem no seu candidato», disse.

Razão por que, para Sócrates, a solução das primárias lhe parece «absolutamente extraordinária e uma barafunda».

O ex-primeiro-ministro mostrou-se, contudo, «aberto» para discutir essa solução que sempre lhe suscitou «as maiores dúvidas». «Peço a todos que reflitam», acrescentou.