O ex-secretário-geral dos socialistas José Sócrates defendeu este sábado que tem de haver e já deveria ter sido convocado um Congresso extraordinário para discutir a liderança do PS e declarou apoio a António Costa.

Convidado do programa da TSF «Bloco Central», emitido este sábado, José Sócrates considerou que «não passa pela cabeça de ninguém» que não seja convocado um Congresso extraordinário para responder à atual «situação extraordinária» do PS. «Isso não é possível nas sociedades democráticas», reforçou.

José Sócrates referiu que desde que deixou o cargo de primeiro-ministro, em 2011, sempre entendeu que o secretário-geral do PS deveria ser António Costa: «Já nessa altura achava, e continuo a achar. Portanto, se o PS tiver essa disputa, eu, como militante de base - é a única coisa que sou e a única coisa que quero ser - escolherei António Costa».

«E faço-o pela razão que já na altura me levava a ter gostado que António Costa se candidatasse logo quando eu saí: é a questão da experiência política - da experiência e da maturidade política», acrescentou.