O ministro da Saúde anunciou esta quarta-feira a abertura de um concurso para a contratação de 200 médicos especialistas em medicina geral e familiar que deverão em breve ir trabalhar nos centros de saúde.

Paulo Macedo fez este anúncio na Comissão Parlamentar de Saúde, onde foi ouvido a pedido do PCP.

Segundo o ministro, o concurso que deverá ser aberto ainda durante este mês não obriga estes profissionais a terem vínculo ao Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Paulo Macedo aproveitou ainda a sua ida ao Parlamento para anunciar que, em 2013, a indústria farmacêutica contribuiu com um esforço de 80 milhões de euros, que se somam aos 40 milhões recebidos em 2012.

Um esforço «nunca antes visto» e que terá contribuído para a dívida do SNS atingir mínimos históricos, segundo Paulo Macedo.

Questionado sobre as complicações laborais na linha Saúde 24, o ministro reconheceu que cerca de 200 enfermeiros terão optado por não aceitar a proposta da administração do serviço, mas que a qualidade está assegurada e o serviço deverá mesmo estender a sua linha de atuação, nomeadamente aos idosos.

«Vamos criar um módulo para os idosos, nomeadamente os que vivem de uma forma isolada e estão a ser objeto de um levantamento por parte do Ministério da Administração Interna», revelou.