Três deputados do PS questionaram esta quarta-feira o ministro da Defesa para saber se o Governo está a ponderar a reposição do Serviço Militar Obrigatório e sobre quais as medidas promovidas para capacitar as Forças Armadas.

Os deputados socialistas Ivan Gonçalves, João Torres e Diogo Leão entregaram a pergunta na Assembleia da República dirigida ao ministro Azeredo Lopes, à qual a agência Lusa teve acesso.

O Ministro da Defesa, quando questionado sobre a capacidade de atração das Forças Armadas, podendo a discussão dirigir-se para o extinto Serviço Militar Obrigatório, não deu uma resposta cabal quanto àquela que pode ser a intenção do governo relativamente a esta matéria", consideram.

Por isso, os deputados do PS questionam Azeredo Lopes sobre se "está o Governo a ponderar a reposição do serviço militar obrigatório" e "que medidas é que estão a ser promovidas com vista à capacitação das Forças Armadas".

O contexto político internacional, bem como a vontade de recuperação de um suposto sentimento de pertença e de serviço em prol da nação, são expedientes com que alguns setores da sociedade portuguesa recuperaram o tema, trazendo para a discussão as eventuais virtuosidades da recuperação de um Serviço Militar Obrigatório", explicam.

Os deputados socialistas veem este "eventual retrocesso com preocupação", uma vez que o Serviço Militar Obrigatório não constitui "uma solução para os eventuais problemas de falta de efetivos nas Forças Armadas" e a formação cívica "não passa pela reposição deste regime de caráter militarista".

Em 2015, 21 dos 27 Estados-membros da União Europeia não tinham Serviço Militar Obrigatório", destacam ainda, referindo que o programa do XXI Governo constitucional "não prevê o regresso a um modelo de Serviço Militar Obrigatório, nem tão pouco sinaliza a necessidade de retomar este debate".