O Bloco de Esquerda (BE) pediu hoje a demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, por este ter alegadamente mentido ao Parlamento em 2008 numa resposta escrita à comissão de inquérito ao caso BPN.

Em conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, o coordenador do BE, João Semedo, apresentou uma carta de 2008 do agora ministro em que este revelava que nunca tinha sido acionista da SLN, ex-dona do BPN, o que, disse o bloquista, se sabe hoje que «é uma redonda mentira».

«A mentira é sempre condenável. Quem mente não pode governar. E por isso nós dizemos que Rui Machete deve demitir-se ou ser demitido, em nome da democracia, da transparência, da decência, do combate à podridão que Rui Machete na sua tomada de posse se queixava de estar a ser vítima», acusou João Semedo.

Na carta enviada por Rui Machete a 05 de novembro de 2008 ao então líder parlamentar do BE, Luís Fazenda, e com conhecimento das restantes bancadas parlamentares, o agora governante escreve: «Não sou nem nunca fui gestor/administrador do BPN ou membro do seu Conselho Fiscal ou sequer acionista ou depositante da mesma instituição bancária».

O BE diz que a «prova documental e irrefutável» hoje apresentada deve resultar em consequências do foro político e a que o Parlamento não pode ficar indiferente.

«A Procuradoria-Geral da República (OGR) é quem lida com estes casos. O Parlamento deve apresentar queixa à PGR e se o Parlamento não o fizer, nós não deixaremos que o Parlamento deixe de o fazer», declarou.