A Comissão Política da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) do PS aprovou esta terça-feira, por ampla maioria, uma moção a propor a realização de eleições diretas para o cargo de secretário-geral e de um congresso extraordinário.

Fontes socialistas disseram à agência Lusa que esta moção foi apresentada pelo presidente da FAUL do PS, Marcos Perestrello, um dos principais apoiantes da candidatura de António Costa à liderança do PS, e obteve 67 votos a favor, nove contra e três brancos.

Uma outra moção, essa conotada com a atual direção do partido, apelando a uma mobilização dos militantes e simpatizantes para as eleições primárias de 28 de setembro, foi rejeitada com 12 votos a favor, 62 contra e cinco brancos.

De acordo com as mesmas fontes socialistas, esta segunda moção, que saudou a realização de eleições primárias no PS, foi defendida na reunião pelo membro do Secretariado Nacional Eurico Brilhante Dias.

Durante a reunião, a ex-presidente da Câmara de Vila Franca de Xira, Maria de Luz Rosinha, defendeu que as votações das moções deveriam ser feitas por braço no ar, uma vez que não estavam em causa eleições de pessoas para órgãos do partido.

No entanto, na sequência de propostas de Marcos Perestrello e do membro do Secretariado Nacional do PS Joaquim Raposo, a maioria do plenário optou pela votação secreta.

Foi ainda aprovada uma segunda moção proposta por Marcos Perestrello que defende a realização dos congressos federativos no PS depois das eleições primárias para a escolha do candidato socialista a primeiro-ministro.