O secretário-geral do PS criticou esta segunda-feira os «egoísmos» nacionais na União Europeia, considerou «insuportável» a taxa de referência da dívida portuguesa e defendeu que não pode continuar uma Europa em que uns ganham à custa dos outros.

António José Seguro falava aos jornalistas no SISAB (Salão Internacional do Setor da Alimentação e Bebida), no Parque das Nações, depois de confrontado com a alegada intenção de algumas correntes políticas na Alemanha, Áustria ou Finlândia de «empurrarem» Portugal para uma «saída limpa», sem programa cautelar, no final do atual resgate financeiro em maio próximo.

«Portugal tem vindo a pagar caro as taxas de juro pelo seu financiamento, mas a Alemanha, só no ano passado, poupou 42 mil milhões de euros por as suas taxas de juro estarem muito baixas. Não podemos continuar numa Europa em que uns ganhem à custa do sofrimento dos outros. O que está a acontecer é precisamente isso», respondeu o líder socialista.

Na resposta, Seguro sustentou que «não é a primeira vez» que advoga «que a Europa, através dos seus principais líderes, tem vindo a perder a matriz fundadora de construção e de desenvolvimento, que é a solidariedade».

«A Europa não tem olhado globalmente para esta crise. Pelo contrário, os líderes que comandam hoje a Europa apenas olham para os seus interesses específicos. É muito importante que se possa lutar na União Europeia por uma Europa que reavive o valor da solidariedade. É muito importante que o Banco Central Europeu tenha mecanismos que ajude a financiar os Estados-membros», defendeu.

De acordo com o secretário-geral do PS, «a União Europeia sanciona de mais e tem poucas políticas ativas que ajudem ao crescimento e à criação de riqueza».

«Enquanto não houver um reforço da componente económica, a União [Europeia] será apenas monetária, beneficiando os mais fortes e prejudicando fortemente os que têm debilidades nas suas contas públicas. Estamos mais endividados e a taxa de referência de financiamento da nossa dívida pública é insuportável», observou ainda o líder socialista.