O secretário-geral do PS assegurou esta sexta-feira, perante os deputados socialistas, que o procedimento e metodologia do entendimento de médio prazo proposto pelo Presidente da República não estão fechados e que nas negociações o partido defenderá os seus valores.

PS estará à altura das «responsabilidades» no processo de diálogo

Estas posições, segundo fonte socialista, foram assumidas por António José Seguro na sua intervenção de abertura na reunião com o Grupo Parlamentar do PS.

Esta reunião foi convocada na sequência da proposta de Cavaco Silva sobre um entendimento de médio prazo entre os partidos do «arco da governabilidade» e após o encontro de quinta-feira entre o secretário-geral do PS e o Presidente da República.

Na quinta-feira, na reunião semana da bancada socialista, vários deputados criticaram a atuação do chefe de Estado e deixaram várias advertências sobre a possibilidade de o PS se envolver no processo de diálogo proposto pelo chefe de Estado.

De acordo com fonte do PS, na sua intervenção inicial, Seguro informou os deputados que o procedimento e a metodologia do diálogo proposto por Cavaco Silva «não estão fechados».

António José Seguro salientou também que, nessas negociações, «o património, os valores e as posições do PS estarão sempre presentes nesse diálogo e em particular no seu conteúdo».

O secretário-geral do PS salientou depois que «em nenhum momento está incluído qualquer acordo de governação ou integração neste Governo» e que o diálogo proposto pelo Presidente da República «deve incluir todos os partidos com representação parlamentar» - posições que já tinham sido assumidas pelo dirigente socialista Alberto Martins logo após a comunicação ao país do chefe de Estado na quarta-feira à noite.