O secretário-geral da PCP, Jerónimo de Sousa, acusou na quarta-feira o PS de se «armar em partido de oposição» e de não ter um programa político de alternativa ao atual Governo.

Jerónimo de Sousa falava quarta-feira em Loures durante um jantar de apoio ao candidato da CDU àquela autarquia, Bernardino Soares.

«O PS finge que quer mudar a política, mas acha que o Governo pode continuar a fazer aquilo que tem feito. O PS baixou a bandeira e resignou-se. Até parecem que têm medo», afirmou o líder comunista.

Jerónimo de Sousa acusou igualmente os socialistas de não terem um programa de alternativa ao atual Governo e de pretenderem seguir as mesmas políticas.

«O PS não diz o que pensa das privatizações, o que pensa do corte nas pensões. Não dizem por não pretendem fazer nada», afirmou.

No seu discurso, Jerónimo de Sousa comentou ainda às «declarações contraditórias» do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e doo vice-primeiro ministro, Paulo Portas, sobre o défice para 2014.

Pedro Passos Coelho disse hoje que «não há uma decisão tomada» sobre a revisão do défice para 2014, mas garantiu que se o Governo entender que «é indispensável» uma alteração, esse assunto será debatido com a troika.

Paulo Portas já tinha declarado que o Governo continua a defender um défice orçamental para 2014 de 4,5% do PIB e não a meta de 4% que resultou da sétima avaliação da troika.

«Nem na mentira eles se entendem, porque aquilo que eles querem é enganar o povo português», afirmou.

No final do seu discurso, o líder comunista disse ainda que a CDU vai continuar a lutar para demitir o Governo e forçar novas eleições.

«Estamos determinados em prosseguir a luta. O Governo está minado de escândalos e de atividades promiscuas. É um Governo moribundo e desacreditado», reporta a Lusa.