O secretário-geral do PS defendeu esta quinta-feira a urgência de se dar «um grito de alerta» face à existência de fenómenos de pobreza em Portugal, sustentando que se verifica uma quebra nas condições materiais de vida dos portugueses.

António José Seguro falava aos jornalistas no final de uma visita ao jardim de infância, à creche e ao lar de idosos do Centro Comunitário de Terrugem, ação que se integrou no programa do PS denominado «Combater as desigualdades e a exclusão social».

«Só quem não conhece o país é que não percebe a realidade de milhares de famílias», salientou, referindo-se em seguida a um recente estudo do INE (Instituto Nacional de Estatística) sobre a qualidade de vida dos portugueses, no qual se verifica «uma quebra no que respeita às condições materiais».

«Os portugueses estão a passar por sérias privações. Há muitos milhares de portugueses que retiram os seus filhos das creches porque não têm possibilidades de pagá-las, outros que apenas os mantêm nas creches porque as instituições apoiam essas famílias», apontou o secretário-geral do PS.

Nesta conjuntura «de empobrecimento do país», o líder socialista defendeu que é preciso «dar um grito de alerta».

«Numa altura em que nos aproximamos de uma quadra tão festiva de solidariedade, de humanismo e de família como o Natal, é preciso darmos esse grito de alerta. Queremos expressar a nossa revolta contra o facto de haver muitas pessoas que em Portugal estão a passar por sérias privações e por o país estar mergulhado numa situação de pobreza, que consideramos que é necessário corrigir», cita a Lusa.

Segundo o secretário-geral do PS, a alternativa passa pela criação de riqueza por forma «a acudir a milhares de famílias que se encontram numa situação muito difícil».

Nas suas declarações, António José Seguro elogiou a ação da Câmara de Sintra no plano social, sobretudo por ter criado um fundo de emergência social.