O ministro da Defesa, Aguiar-Branco, disse este sábado que o PS adotou um modelo de liderança bicéfala, em que o secretário-geral «tem o poder formal, mas não manda» e quem manda, António Costa, «não tem poder formal».

«O PS há muito que parece ter adotado o modelo bicéfalo do Bloco de Esquerda, tem um secretário-geral e um líder: o secretário-geral tem o poder formal mas não manda, o líder manda mas não tem poder formal», afirmou José Pedro Aguiar-Branco, numa intervenção perante o XXXV Congresso do partido, em Lisboa.

Mas o atual ministro da Defesa foi ainda mais concreto: «A liderança efetiva do PS reúne às quintas-feiras na Quadratura do Círculo, num programa [da SIC-Notícias] em que Pacheco Pereira faz de consultor da campanha de António Costa».

Na sua intervenção, Aguiar-Branco lamentou que o espaço mediático esteja tomado pelos «ex-qualquer coisa», dando como exemplos o ex-Presidente da República Mário Soares, o ex-primeiro-ministro José Sócrates ou o ex-bispo das Forças Armadas, D. Januário Torgal Ferreira.

Antes, o ministro da Administração Interna Miguel Macedo disse que vencer as próximas eleições legislativas será não um desígnio partidário, mas um desígnio nacional e deixou igualmente fortes críticas ao PS.

«Nas próximas eleições legislativas, a escolha não é apenas entre quem está no poder e quem está na oposição, entre esta maioria e o PS, a escolha mais essencial a primeira opção que vamos ser chamados a fazer é se escolhemos quem levou o país à beira da bancarrota, os que meteram a troika cá dentro ou, do outro lado, os que acabaram com o resgate, com a troika e a ameaça de bancarrota», disse.

Personalizando, Macedo considerou que, em 2015, a escolha dos portugueses será entre, «de um lado, Pedro Passos Coelho, um político sério e corajoso que nunca virou cara as dificuldades» e, «do outro lado, António José Seguro, o líder do partido que meteu cá dentro a troika, que só soube criticar e nunca soube ajudar».

«Estas serão as opções que teremos de fazer (...) Vencer as próximas eleições legislativas não é um desígnio partidário mas um desígnio nacional», disse.