O ministro dos Negócios Estrangeiros disse hoje que Portugal poderá assinar acordos com a China durante a visita de António Costa, alegando que a reunião com o primeiro-ministro chinês na ilha Terceira serviu para preparar essa visita.

“Para além deste gesto de cortesia, o sentido deste encontro foi também preparar a visita do primeiro-ministro de Portugal à China, que se fará no início de outubro. Essa visita será a ocasião para avançar nos trabalhos que estão em curso, para assinar já alguns acordos e para dar algumas notícias. Vamos esperar”, salientou Augusto Santos Silva, em declarações aos jornalistas, na base aérea n.º4, nas Lajes, à saída de uma reunião de poucos minutos com o primeiro-ministro chinês.

Li Keqiang, primeiro-ministro da República Popular da China, e a sua comitiva chegaram esta noite à ilha Terceira, nos Açores, onde farão uma escala de dois dias, na viagem de regresso a casa, após uma visita a Cuba.

Questionado sobre a possibilidade de se ter discutido no encontro o alegado interesse da China no porto da Praia da Vitória e na economia do mar dos Açores, o ministro dos Negócios estrangeiros português disse apenas que a reunião foi um “gesto de cortesia” de Portugal a um país com quem tem “relações históricas”.

“As relações políticas e diplomáticas são excelentes. O processo de transição de Macau foi conduzido de forma exemplar pelo então primeiro-ministro António Guterres e pelas autoridades chineses e cimentou a nossa colaboração recíproca”, frisou.

Na curta reunião com o primeiro-ministro chinês, houve tempo para falar precisamente da candidatura de António Guterres a secretário-geral da ONU e, segundo Augusto Santos Silva, a China reafirmou o seu critério nesta matéria.

“A República Popular da China considera que o único critério que deve contar na seleção do próximo secretário-geral é a sua capacidade pessoal, as suas qualidades políticas e a sua experiência. E como Portugal entende que o engenheiro António Guterres é uma personalidade especialmente qualificada, com experiência bastante, quer do ponto de vista político, quer na gestão do alto comissariado para os refugiados, Portugal fica muito confortável com este critério”, salientou.

Por sua vez, o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, que também participou na reunião, disse apenas que era “uma honra e um gosto” receber o primeiro-ministro chinês na ilha Terceira, fugindo às questões sobre o possível interesse da República Popular da China no Porto da Praia da Vitória.

“Os objetivos, os propósitos, a agenda oficiais desta visita são públicos e, portanto, é disso que se trata”, adiantou.

Questionado sobre a possibilidade de as visitas de governantes chineses aos Açores pressionarem os Estados Unidos da América, que iniciaram um processo de redução militar na base das Lajes, Vasco Cordeiro rejeitou essa hipótese.

O primeiro-ministro chinês visita, terça-feira, os principais pontos turísticos da ilha Terceira, antes de regressar à China, por volta das 17:00 (hora local, mais uma em Lisboa).

Em julho de 2014, esteve também na ilha Terceira o Presidente da República Popular da China, Xi Jinping, durante cerca de oito horas, numa escala entre o Chile e Pequim, em que aproveitou para se reunir com o então o vice-primeiro-ministro de Portugal, Paulo Portas.

Já em 2012, tinha estado na ilha Terceira o primeiro-ministro chinês da altura, Wen Jiabao, acompanhado por uma comitiva de mais de 100 pessoas, numa escala técnica entre o Chile e a China, que demorou cerca de cinco horas.

Em junho deste ano, o presidente do Governo Regional dos Açores, recebeu, em Ponta Delgada, o ministro do Mar da China, Wang Hong, que destacou o potencial dos Açores na área do mar.