O Presidente da República agradeceu hoje a Santana Lopes "o papel notável" que considera estar a desempenhar como provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), assegurando-lhe o apoio do chefe de Estado "nos desafios futuros" da instituição.

No discurso na inauguração do novo edifício do Hospital de Sant'ana, na Parede, que pertence à SCML, Marcelo Rebelo de Sousa salientou que "as instituições são um pouco o retrato da sua liderança".

Há que reconhecer o mérito indiscutível, a capacidade de visão, a capacidade de mobilização do provedor à frente dos destinos desta casa", afirmou, dizendo que tal "merece a gratidão nacional".

"O país agradece-lhe", acrescentou o chefe de Estado, salientando que a SCML tem hoje uma "projeção nacional".

No dia em que a SCML comemora 519 anos, o Presidente da República defendeu que o setor social "será diferente no futuro" e tem de ser "um setor com protagonistas e não apenas com sujeitos".

É o caso da SCML, quando é chamada a novos desafios vai estando presente em muitas circunstâncias, não só apoiando como liderando projetos, integrando fundações e outros elementos vitais da nossa comunidade", destacou, dizendo a Santana Lopes que "conta com o apoio do Presidente da República nessa visão de futuro".

Aos jornalistas, no final da cerimónia, Marcelo Rebelo de Sousa não quis concretizar se incluía uma eventual entrada da SCML no capital do Montepio entre estes novos desafios.

O chefe de Estado pediu ainda à instituição que não deixe de privilegiar a área da saúde, destacando os alertas do relatório de primavera do Observatório dos Sistemas de Saúde, conhecidos na semana passada.

"Confirma a equação de quanto mais doente mais pobre, e quanto mais pobre mais doente", lamentou.

Na cerimónia de inauguração do novo edifício do hospital de Sant'Ana estiveram também presentes os ministros da Saúde e do Trabalho, Adalberto Campos Fernandes e Vieira da Silva, bem como o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras.

No seu discurso, também Santana Lopes defendeu ser fundamental que "as instituições do terceiro setor estejam à altura dos desafios do novo tempo e saibam ser atores sociais fortes e empenhados".

O novo edifício do Hospital Ortopédico de Sant'Ana deverá abrir ao público dentro de dois a três meses e terá uma capacidade para internamento de 60 doentes e consultas de especialidade em outras áreas, como oftalmologia, neurocirurgia ou otorrinolaringologia, além de um novo bloco operatório.

Ao todo, o projeto representa um investimento de oito milhões e oitocentos mil euros, sendo uma das maiores empreitadas da SCML.