Como Presidente da República, António Sampaio da Nóvoa viabilizaria um Governo que apresentasse uma solução de estabilidade para o país. O candidato a Belém, diz o próprio, não excluiria nenhum cenário.

"Se hoje estivesse no lugar do senhor Presidente da República e se me fosse apresentada uma solução com estabilidade política para Portugal, obviamente que a viabilizaria"


Sampaio da Nóvoa foi questionado esta segunda-feira sobre a possibilidade de dar posse a um Governo de esquerda e acrescentou não excluir "nenhuma possibilidade".

O candidato defendeu que agora "é o tempo de os partidos encontrarem soluções que assegurem a necessária estabilidade política e governativa para Portugal", cita a Lusa.

Nóvoia falava aos jornalistas antes do debate "E agora, Portugal?", promovido pela sua candidatura, no Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva, em Lisboa.

Já durante o debate, classificou como "grave" se Cavaco Silva estivesse "a ser parte de uma espécie de diminuição do espaço democrático" ao invés de trabalhar para o alargar.

Questionado pela moderadora do debate, a deputada socialista Gabriela Canavilhas, sobre o que faria se fosse Presidente da República perante os últimos resultados eleitorais das legislativas, o candidatou esclareceu que "não devem ser nem podem ser excluídas nenhumas soluções que os partidos políticos possam apresentar".

"Nos termos da Constituição este é um tempo em que os partidos devem encontrar soluções governativas, devem encontrar maiorias, e na minha opinião o presidente deve aceitar as maiorias que sejam construídas"


Candidatura de Marcelo "ajudou a clarificar muitas coisas"


Já sobre o avanço de Marcelo Rebelo de Sousa para Belém, Sampaio da Nóvoa considerou "muito importante" a apresentação da candidatura.

"Saúdo democraticamente a candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa e julgo que isso ajudou a clarificar muitas coisas. Todos os domingos havia um transgredir de regras mínimas do que deve ser a democracia e do que deve ser o jogo eleitoral" no espaço de comentário que o professor manteve atè à semana passada na TVI


Considerando que "o que se estava a viver não era bonito, não era bom para a democracia portuguesa", Nóvoa vincou que foram atingidos "patamares impensáveis" na noite de domingo, na emissão de despedida que a estação televisiva preparou para o comentador.

Assim, Sampaio da Nóvoa afirmou esperar que "as instituições do Estado de direito que têm o dever e a obrigação de zelar por este tipo de comportamento, possam atuar o mais rapidamente possível", apelando ao discernimento dos portugueses em relação ao que apelidou de "jogos".

O antigo reitor vincou ainda que a candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa "era o segredo mais partilhado há muitos meses" e que quando decidiu avançar para Belém teve essa hipótese em consideração, não se mostrando afetado por ela.

"Isso não alterou rigorosamente nada do que são as perspetivas da minha candidatura, as ideias da minha candidatura, os projetos, o programa e o que são as intenções de conduzir uma candidatura que estabeleça uma diferença com candidatos que vêm dos partidos, que têm vinculações partidárias", concluiu.