O candidato presidencial António Sampaio da Nóvoa afirmou esta terça-feira que "não pode haver espaço para discriminação no Portugal do século XXI", tendo vincado que, enquanto Presidente "fará tudo o que estiver ao seu alcance" para mudar esta realidade.

Num almoço sobre questões de género, que decorreu em Lisboa, o candidato afirmou que "não pode haver espaço, mas não pode mesmo haver espaço no Portugal do século XXI para a discriminação, seja ela qual for, com base no género, no sexo ou na orientação sexual".

"Farei tudo o que estiver ao meu alcance para continuar a mudar esta realidade. A igualdade de género é um desígnio maior desta candidatura e representa uma causa que estará na linha da frente da minha leitura das funções presidenciais, ao garantir o cumprimento da Constituição, ao avaliar a legislação no momento da sua promulgação, ao promover e valorizar em todas as ocasiões o papel de todos e de todas na construção do nosso futuro coletivo", disse o candidato.

Sampaio da Nóvoa saudou também as candidaturas de Maria de Belém Roseira e Marisa Matias pelo contributo para a democracia, dado que é “apenas a segunda vez” que a corrida à Presidência da República conta com mulheres, depois da candidatura de Maria de Lurdes Pintassilgo.

“Neste almoço quero saudar democraticamente as candidaturas de Marisa Matias e de Maria de Belém pelo contributo que trazem à nossa democracia”, disse, seguido de aplausos.

O candidato vincou, também, que “há cerca de 100 anos, a Primeira República falhou no compromisso com a igualdade fechando a porta do sufrágio das mulheres”, tendo exaltado o facto de, atualmente, a Assembleia da República contar com mais deputadas e o Governo com mais ministras e secretárias de Estado.

Sampaio da Nóvoa congratulou-se ainda com os avanços legislativos em áreas como o trabalho e a família.

“Não podemos descansar, pois não basta que a República seja lei, a República tem também de ser vida, tem de ser realidade concreta, diária, sentida por todos no dia-a-dia das nossas vidas”, defendeu o candidato a Belém.


No dia em que apresentou a sua carta de princípios sobre este tema, Nóvoa ressalvou que “ainda falta trilhar um longo caminho no que toca à política social e económica, e as situações de pobreza e de precariedade laboral continuam a afetar, de modo mais intenso e mais duro, as mulheres”.

No almoço intervieram também os dois mandatários nacionais para as questões de igualdade e combate às descriminações, Miguel Vale de Almeida e Elza Pais.

A rematar, Sampaio da Nóvoa afirmou querer ser “um agente ativo, sempre, permanente e presente na promoção da igualdade e no combate a todas as discriminações”.