As palavras são de Correia de Campos, mandatário nacional de Sampaio da Nóvoa, após terem sido conhecidas as projeções das televisões para as eleições presidenciais.


"Os primeiros resultados que foram divulgados com base em sondagens à boca da urna manifestam que existe ainda uma grande incerteza sobre o resultado final. A fiabilidade do método de sondagem à boca da urna e a proximidade em que o potencial candidato mais votado se encontra do limite da maioria absoluta não permitem neste momento tirar conclusões definitivas".


Tal como durante toda a campanha, a esperança numa segunda volta mantém-se firme, mesmo depois de terem sido conhecidas as projeções que deixam Sampaio da Nóvoa sem direito à segunda volta.

À chegada à sede de campanha, o candidato presidencial garantiu não ter escrito discurso para a noite e que "depois das 20:00" tudo estaria em aberto.

"Não vale a pena fazer muitos cenários, vale a pena é estar disponível, estar contente, estar confiante, ter a alegria com que estamos todos nesta campanha, vai ser assim até ao último minuto".

Uma posição coerente com a das últimas semanas, em que Sampaio da Nóvoa afirmou que "nada estava garantido" e só no final se teriam certezas de quem será o próximo presidente da República.

A projeção da Intercampus para a TVI, Público e TSF dá Marcelo Rebelo de Sousa como o vencedor, com 50,9% a 55,7% dos votos. Sampaio da Nóvoa surge como o segundo candidato mais votado nestas presidenciais, recolhendo entre 19,3% e 23,3% das preferências dos eleitores. 
 

Abstenção é positiva em relação às últimas eleições


Passavam poucos minutos das 19:00 quando Pedro Delgado Alves, diretor de campanha de Sampaio da Nóvoa, fez uma primeira leitura das projecções sobre a abstenção nas eleições presidenciais e defendeu que os candernos eleitorais precisam de ser limpos.

"Os resultados de abstenção que hoje conhecemos, apesar de revelarem dados mais positivos do que em relação às últimas eleições presidenciais, seguramente são marcados pela presença nos cadernos eleitorais de muitos eleitores que já não deles deviam constar".