Foi a música “Changes” de David Bowie, falecido este domingo, que deu as boas vindas a Sampaio da Nóvoa na sala onde mais de 300 pessoas o esperavam para jantar em Coimbra, naquele que foi o segundo jantar-comício da campanha. Um prenúncio de mudança, há muito anunciado pelo aspirante a Belém decidido a mudar o panorama nacional.

O candidato presidencial, cujo lema da campanha é “Novo Tempo Novo Presidente”, ouviu vários dos apoiantes presentes no encontro considerá-lo o “novo homem” de que o país precisa para dar inicio à mudança iniciada a com a queda do governo de Passos Coelho.

“É um dos melhores candidatos, que se difere dos outros pela a sua honestidade, a sua franqueza, a sua sinceridade, a sua intelectualidade, a sua ligação ao povo... Ele é o novo homem para o novo Portugal.”


As palavras são de Maria Helena de Matos, apoiante socialista desde a fundação do partido, que esta segunda-feira se deslocou a Coimbra para apoiar Nóvoa. Apesar de ter bem claro em quem vai votar daqui a 13 dias, a apoiante do antigo reitor da Universidade de Lisboa diz, à TVI24, que o povo ainda não está esclarecido no que diz respeito às eleições presidenciais e que por isso mesmo é preciso ir à segunda volta.

“Vamos à segunda volta porque o povo ainda não esta esclarecido, nem para ir à primeira... O povo não se lembra que está escaldado.”


Sentado na mesa ao lado, José Viana não podia concordar mais com as palavras da camarada, mesmo que para isso tenha de recorrer ao cliché do “anúncio de um novo futuro”.

“Pode parecer cliché, mas é mesmo o anunciar de um novo futuro, de um novo Portugal, de um novo paradigma de estar na política, de se trabalhar para o bem comum, que me a apoiá-lo incondicionalmente. Os outros, no todo, estão situados num paradigma de associação aos partidos, às forças clássicas. É por isso que acredito na segunda volta. Se Portugal merece a pena batalhar por ele, a segunda volta vai acontecer e Sampaio da Nóvoa irá vencer”, disse à TVI24.

Nóvoa “tem três selos de garantia”


Rogélio Pedrosa, que já conhecia Sampaio da Nóvoa como professor e que acompanhou o seu trabalho como pedagogo, não quis perder a oportunidade de cumprimentar o candidato presidencial durante a sua visita a Coimbra, onde para além do jantar, inaugurou a sede de candidatura em plena Praça da República.

Professor reformado, o apoiante com “nome espanhol” confessa, à TVI24 que foi o “anúncio de um tempo novo” que o fez render ao candidato, “um homem corajoso que entrou [na política] no tempo certo”. Isso e o facto deste “ser uma pessoa que vem no seguimento da mudança que houve na política ao nível do governo”. “Era também interessante que houvesse também uma mudança ao nível da presidência da República”. 

No entanto, para o antigo colega de profissão de Nóvoa, “a coisa mais interessante nesta coisa da campanha eleitoral” é que o aspirante a Belém “traz, logo à partida, três selos de garantia: Eanes, Sampaio e Soares” e que essa será uma das mais valias que o fará chegar à segunda volta. 

Quem também concorda com uma segunda volta é o mandatário nacional dos Serviços Públicos, António Arnaut, pai do SNS, e que em Coimbra reafirmou o seu apoio a Nóvoa, o “único candidato com condições para a segunda volta e bater o candidato da direita”.

Nesta noite na cidade dos estudantes, Sampaio da Nóvoa lembrou ainda que foi em Coimbra, onde estudou e jogou na Académica, que aprendeu o que "é a liberdade". E que por isso mesmo, é livre de se candidatar à presidência da República, mesmo sendo um "soldado raso" - numa clara alusão ao debate televisivo que teve na semana passada com Marcelo Rebelo de Sousa.


"Em democracia, somos todos iguais perante a lei. Qualquer soldado raso pode chegar a general".