O secretário-geral do PS, António José Seguro, insistiu esta terça-feira que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, faça «prova» das suas palavras acerca de um aumento do salário mínimo nacional e convoque a concertação social.

«Com as palavras do primeiro-ministro todo o cuidado é pouco, por isso, desafiei o primeiro-ministro a fazer prova da sua palavra, a convocar de imediato o conselho da concertação social. Já passaram mais de dois dias e o primeiro-ministro ainda não convocou», disse António José Seguro.

Falando aos jornalistas no final de uma visita à Adega Cooperativa de Pegões, Seguro disse não saber quais são as «exigências» e «condições» que o chefe do Governo colocará para a subida do salário mínimo, de 485 euros, frisando que «há um consenso no país» para essa atualização e que o primeiro-ministro é que tem estado fora desse consenso.

O líder socialista recusou ainda avançar o valor que defende para a atualização do salário mínimo, afirmando não se poder substituir aos representantes dos trabalhadores e às confederações patronais, que se reúnem em concertação social.