O vice-presidente da bancada social-democrata Carlos Abreu Amorim afirmou hoje que Portugal vai ter uma «carta de intenções» como a Irlanda teve e acusou o PS de parecer zangado com a «saída limpa» do programa de resgate.

Em resposta ao PS, que hoje exigiu que o Governo PSD/CDS-PP esclareça as condições detalhadas de saída do atual programa de resgate que está a negociar com a troika, Carlos Abreu Amorim declarou: «Não há nenhum mini memorando. Aquilo que virá a existir é um documento que é típico - e já estava previsto - do final das avaliações. É um documento normal, uma carta de intenções».

«Não há carta nenhuma, a não ser aquela que a Irlanda assinou há seis meses: um documento de intenções, um compromisso de intenções», reforçou o deputado do PSD, em declarações aos jornalistas, na Assembleia da República, acrescentando que essa carta «com certeza, em devido tempo, será conhecida, porque está a ser trabalhada com as várias entidades internacionais».