O projeto de teses, aprovado este domingo na reunião do Comité Central do PCP, defende a existência de um aprofundamento da crise estrutural do capitalismo e a recuperação da soberania monetária de Portugal, com a saída do euro.

Estas teses, apresentadas globalmente pelo secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, serão agora submetidas a discussão nas organizações de base do PCP.

"Abre-se agora uma terceira fase de preparação do congresso [entre 2 e 4 de dezembro em Almada], em que os militantes são chamados a pronunciar-se sobre o texto e a eleger os delegados ao congresso", referiu Jerónimo de Sousa.

Em relação ao projeto de teses, o secretário-geral do PCP disse que se dá "uma detalhada e particular atenção ao papel das organizações dos trabalhadores, aos outros movimentos de massas e associativo e à sua determinante e diversificada luta, à convergência de democratas e patriotas e ao essencial reforço do PCP na construção das alternativa política e patriótica".

O PCP ataca sobretudo o processo de integração europeia com "os seus instrumentos de dominação, as suas múltiplas crises e consequências para os povos".

Em alternativa, defende-se uma política "e um Governo decididos a assumir a recuperação da soberania monetária, com a libertação do país da submissão ao euro".

Ainda de acordo com Jerónimo de Sousa, o Comité Central do PCP também aprovou uma resolução sobre o centenário da "Revolução de Outubro", que deu depois origem à formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

Um centenário que se assinala em 2017 e que a resolução agora aprovada pelo PCP inscreveu já "as orientações, objetivos e elementos de programação para as comemorações e que se desenvolverão sob o lema "Centenário da Revolução de Outubro - Socialismo, exigência da atualidade e do futuro".

Jerónimo de Sousa adiantou que o programa de comemorações será anunciado em iniciativa a realizar-se a 7 de novembro próximo no âmbito do 99º aniversário dessa efeméride.

Leia também: Limite de um milhão para taxar património "é bom início de conversa", diz PCP