Independentes e movimentos como o LIVRE aprovaram este sábado as linhas programáticas da iniciativa «Tempo de Avançar», que vai lutar por «cidadãos sem medo» e com voz e por um país «com futuro», nas palavras de Rui Tavares.

Fundador do LIVRE, coube a Rui Tavares abrir na tarde deste sábado os discursos da convenção que decorre em Lisboa e que junta centenas de pessoas, sejam cidadãos independentes e personalidades de esquerda, sejam dirigentes de movimentos ou políticos conhecidos (como Ana Drago).



Foi a todos eles que Rui Tavares disse que o que estava a acontecer era «algo nunca feito» na democracia portuguesa, pelo «grau de abertura e participação» na construção de listas e de um programa para a iniciativa «Tempo de Avançar».

E pediu à adesão ao movimento dos que querem combater a precariedade, renegociar a dívida externa ou reconhecer a independência da Palestina no primeiro ano da legislatura do Governo saído das próximas eleições.

Mas pediu também que se juntem os que não querem que «a política seja a desvalorização das pessoas», que querem «pôr a direita na oposição».

«Governar só vale a pena se for para mudar o país, não faz a mudança quem põe mudança em cartazes, faz quem conta com a força de todos», disse Rui Tavares, acrescentando que a proposta a apresentar aos portugueses nos próximos tempos é a de uma «candidatura cidadã» que no dia das eleições se transformará numa «legislatura cidadã».



Um discurso no qual disse muitas vezes a palavra «união», como a disse também depois Ana Drago, antiga dirigente do Bloco de Esquerda que começou por afirmar: «que não haja qualquer dúvida, estamos hoje aqui reunidos porque queremos mudar o país», uma «urgência e uma necessidade».

Com referências bastantes à crise e suas consequências, como perda de habitação, precariedade laboral, desemprego ou emigração, Ana Drago salientou que era preciso mudar o país e que essa é a responsabilidade que o movimento assume.

E para a mudança, explicou, é preciso recuperar o país «dos danos que fez a política de austeridade» e recuperar também a «noção fundamental de que há incompatibilidade entre pobreza e democracia», pelo que é preciso «redistribuir o rendimento», criar emprego, recuperar o «bom nome do Estado», e, claro, renegociar a dívida externa.
 
Em síntese, disse, é preciso e o «Tempo de Avançar» quer, «reinventar o Estado», dignificar o trabalho, «recuperar a dignidade da contratação coletiva», valorizar as pessoas e apostar na qualificação, na ciência e na cultura. E «resgatar a Europa das garras das políticas dos últimos anos».

Durante a manhã, os participantes na Convenção aprovaram questões regimentais e durante as tarde as linhas programáticas.



Também se elegeram as listas para o conselho do movimento, uma parte em eleição por lista e outra em candidaturas uninominais (50 nomes no primeiro caso e 22 no segundo, devendo-se eleger posteriormente mais 22, um por cada círculo eleitoral).

Nas linhas programáticas, um documento de cinco pontos (depois subdivididos) defende-se a reestruturação das dívidas dos países da União Europeia e que o Estado português faça uma auditoria à dívida pública.