O cabeça de lista do Livre às eleições europeias, Rui Tavares, disse hoje que o partido é o que tem o programa eleitoral «mais completo e bem fundamentado» de todos os que vão a votos no sufrágio de maio.

Enquanto em meses recentes os maiores partidos «discutiam cabeças de lista», o Livre estava já a fazer um programa eleitoral que é o «mais completo e bem fundamentado» de todos, nomeadamente em questões europeias, disse Rui Tavares em Lisboa, numa sessão de apresentação dos candidatos do partido ao Parlamento Europeu.

O Livre realizou o encontro no Frágil, no Bairro Alto, espaço que o partido manterá como sede durante as próximas semanas, até pelo menos ao dia das europeias, 25 de maio.

Na ocasião, o cabeça de lista do partido, e eurodeputado eleito em 2009 nas listas do Bloco de Esquerda (BE) (mas cuja delegação abandonou em 2011), reiterou o apelo a uma convergência maior da esquerda que seja ponderada logo após as europeias de maio.

«O Livre ainda tem muito para mudar para além destas eleições europeias. (...) A política portuguesa é uma política que eleição após eleição ou dá governo de direita ou de centro. É um carro em que as rodas de esquerda não andam ou não sabem andar em conjunto. E quem paga o preço é o país, os cidadãos deste país», advogou Rui Tavares.

O Livre, sublinhou ainda, «está disposto a trabalhar em conjunto com os outros partidos de esquerda para impedir a direita de continuar no poder e fazer o que tem feito até agora».

«Essa é uma mudança fundamental, é um tabu que foi quebrado na esquerda portuguesa», realçou também Tavares.

A lista do Livre às europeias de 25 de maio tem como número dois Luísa Alvares, que vive na Suíça e trabalha na indústria farmacêutica, e como número três Carlos Teixeira, um biólogo que nunca foi militante de partidos, mas candidatou-se como independente pelo PAN (Partido pelos Animais e pela Natureza) nas últimas autárquicas.

Luísa Alvares interveio na sessão de hoje a partir do Skype, num momento muito aplaudido pelas dezenas de membros e apoiantes do Livre presentes no Frágil.

Ana Matos Pires, Paulo Monteiro e Palmira Silva completam os seis primeiros lugares lista, na sua ordenação final, segundo as regras de paridade absoluta.

Também presente na sessão de hoje, o mandatário da lista, o escritor João Tordo, definiu o Livre como uma "alternativa muito sincera e verdadeira" de fazer política e de enfrentar o "sistema atual" dos partidos, "que não oferece confiança" aos cidadãos.