O cabeça de lista por Lisboa do Livre/Tempo de Avançar, Rui Tavares, considerou este domingo que as projeções dos resultados eleitorais indicam que "acabou o arco da governação" e o seu partido, que poderá eleger deputados, é a novidade.

"A confirmarem-se estes dados e as projeções a que temos acesso, nós somos a novidade da política portuguesa, a candidatura Livre/Tempo de Avançar será a novidade na próxima Assembleia da República", afirmou Rui Tavares perante uma sala cheia de apoiantes que muito o aplaudiram no Teatro Maria Matos, em Lisboa.


O candidato considerou também "um dado essencial destas eleições as esquerdas à esquerda do Partido Socialista, Livre/Tempo de Avançar incluído, obtêm possivelmente o melhor resultado de sempre", o que, na sua opinião, significa que "acabou o arco da governação".

Rui Tavares defendeu também que "a direita perdeu a maioria que tinha, perdeu a capacidade de governar e a legitimidade para prosseguir com as suas políticas", e por isso "nos próximos dias joga-se a possibilidade de acabar com as políticas de austeridade".

"É necessário que todos os atores políticos, a começar pelo Presidente da República, tomem bem nota desta realidade", acrescentou.

"Nós seremos a esquerda convergente, consequente e responsável e achamos que toda a esquerda tem de ser coerente, consequente e responsável com esta possibilidade de acabar com as políticas de austeridade", realçou o candidato, tendo acrescentado que a esquerda se deve sentar à mesa.


Em relação à descida da abstenção indicada pelas projeções, Rui Tavares vincou que "apesar de terem saído centenas de milhares de pessoas do país nos últimos anos, que infelizmente não puderam votar, é sempre bom que a abstenção desça, é sempre mau que o país vá perdendo gente".

No final sua primeira intervenção desta noite, Rui Tavares deixou o repto: "Contem connosco para todas as lutas, pela democracia, pelo desenvolvimento, pela igualdade, pela liberdade".