O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, elogiou esta terça-feira a coligação feita pelo PS na autarquia do Porto, considerando que os «partidos não se afirmam na mesquinhez e mediocridade do aparelho».

António Costa falava aos jornalistas à entrada para a tomada de posse do novo executivo da Câmara do Porto, tendo sido questionado pelos jornalistas sobre o acordo para o Governo da cidade do Porto alcançado entre o presidente eleito, o independente Rui Moreira e o socialista Manuel Pizarro, onde ficou decidido atribuir «pelouros a vereadores eleitos» pelo PS.

«Eu não me quero naturalmente imiscuir nas questões internas do PS/Porto, mas acho que os partidos não se afirmam na mesquinhez e na mediocridade do aparelho mas na forma como sabem assumir responsavelmente o seu papel na sociedade portuguesa e acho que o Dr. Pizarro e a concelhia do Porto demonstraram é que estão à altura daquilo que o país precisa do PS», disse quando questionado sobre as vozes socialistas críticas a esta coligação.

Já depois de no domingo ter sido conhecido o acordo com Rui Moreira, a distrital do PS/Porto reiterou a discordância com a aceitação de pelouros por parte dos vereadores socialistas da Câmara do Porto, concordando, no entanto, com o acordo «programático» estabelecido com o presidente eleito da autarquia.

Na opinião de António Costa, o acordo pós-eleitoral «foi um sinal de grande responsabilidade do Dr. Manuel Pizarro, que mostra que é um grande político e sabe estar à altura daquilo que hoje é exigido a todos nós».

Salientando que das eleições autárquicas saíram «várias mensagens», que disse esperar que «todos tenham percebido bem», António Costa enfatizou: «Uma das questões fundamentais é que temos de dar as mãos, unir-nos, fazer esforços para que possamos levar, todos em conjunto, o país para a frente.»

Na opinião do socialista, que foi reeleito com maioria absoluta para a presidência da Câmara de Lisboa, «houve vários sinais de mudança no país nestas eleições».

Recordando as boas relações que já existiam com o presidente da autarquia cessante, Rui Rio, o socialista conta que com Rui Moreira seja possível «prosseguir, aprofundar, melhorar as relações entre estas duas cidades».

«Porque hoje, na situação em que vivemos, é fundamental darmos as mãos e ajudarmos todos o país a ir para a frente».